02/01/2017 16h42 - Atualizado em 02/01/2017 16h43

Instituto ambiental monitora elefante marinho ‘Fred’

Foto: Divulgação Ipram

Durante a virada do ano o elefante marinho Fred, já conhecido pelas praias capixabas, apareceu novamente no litoral do Espírito Santo. O animal está sendo monitorado pelo Instituto de Pesquisa e Reabilitação de Animais Marinhos (Ipram), localizado na sede do Instituto Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Iema).

Fred vem sendo monitorado desde 2014, quando apareceu pela primeira vez no Estado. A partir de agora ele pode aparecer em qualquer praia da região, e nesse caso os banhistas devem ficar atentos a medidas de segurança.

A Diretora Executiva do Ipram, Renata Bhering esclarece que os banhistas devem respeitar o repouso do animal, que está mais magro que o habitual, com cracas no corpo e ferimentos diversos. Ela explica que a maior parte dos ferimentos foi causada por mordidas dos pequenos tubarões-charuto, que de forma semelhante a uma serra-copo, arrancam pedaços cilíndricos de carne e fogem, deixando suas vítimas com pequenas cicatrizes redondas.

“ É comum que animais grandes como cetáceos e pinípedes sofram esse tipo de ferimento em águas oceânicas. Porém, detectamos também um ferimento preciso e retilíneo com avulsão de tecido e exposição de musculatura na lateral esquerda do elefante marinho, que pode ter sido causado, inclusive, por alguma interação com o ser humano (embora não seja possível comprovar). O músculo exposto serve como porta de entrada para infecções bacterianas, e por isso realizamos um rápido procedimento para proteger a ferida”, ressaltou Renata

Apesar de tudo, o animal está forte, se locomove pela praia, entra e sai da água quando quer e precisa apenas de repouso.

Dicas importantes:

– Ele não está morrendo.
– Não é preciso capturá-lo e jogá-lo na água.
– Não é preciso levá-lo ao cativeiro para tratamento.
– Não se deve realizar aproximação desnecessária.
– Não se deve aproximar com animal de estimação.
– Não se deve aproximar com crianças (seja um adulto responsável!).
– Não é preciso ficar jogando baldes de água nele (isso só irá estressá-lo).
– Não é preciso alimentá-lo de nenhuma forma (ele só come o que ele mesmo caça, e dentro da água).


Telefones úteis:
Projeto de Monitoramento de Praias da Petrobras 0800-039-5005
Polícia Militar Ambiental 3636-1650
Ipram 99865-6975 / 3286-0135

2015 / Desenvolvido pelo PRODEST utilizando o software livre Orchard